BLOG | Fast foods: dá para ser saudável?

Fast foods: dá para ser saudável?

Conheça as escolhas certas para uma refeição mais saudável

 
É possível consumir uma refeição saudável no fast-food? Para a médica nutróloga Liliane Oppermann, sim. No entanto, é preciso fazer as escolhas certeiras, pensadas a partir das necessidades nutricionais, de maneira equilibrada, para não ser vítima de exageros calóricos oferecidos pelos restaurantes do gênero. “O consumo tem que ser uma exceção na rotina. Deve ser experimentado naquele dia corrido que não deu tempo de ir ao mercado, por exemplo. Caso contrário, o hábito engorda. E isso é fato”, afirma a especialista.

Coma bem nas redes de sanduíches
Nas redes especializadas em hambúrgueres, o cliente consegue comer de forma saudável, se ficar atento ao cardápio. “Hoje nós encontramos opções que antigamente não se via. Por exemplo, saladas e frutas de sobremesa. Outra dica interessante são os acompanhamentos, como os franguinhos empanados, isentos de fritura, e as cenouras em palito, de baixa caloria”, afirma Liliane. 
Deu sede? Vá de sucos no lugar do refrigerante. O primeiro oferece uma série de vitaminas e nutrientes enquanto o segundo é somente rico em calorias. Quanto aos sanduíches, opte pelos por aqueles que são preparados com pão escuro, pois possuem fibras. Evite os condimentos: katchup, maionese e mostarda. “Se o lanche ainda tiver alface, tomate e picles, melhor. Pois será um sanduíche com ainda mais fibras”, diz a nutróloga.
A hora da sobremesa também pede atenção especial. “Ao invés do famoso sundae, cheio de calda doce e amendoim, fique com o sorvete de creme, que é menos calórico. Dentro das opções, o frozen yogurt com frutas vermelhas ainda é a melhor pedida”.

Mantendo a boa forma em restaurantes árabes
Diferente dos acompanhamentos para pão sírio, como os antepastos homus (feito com grão de bico) e o babaganoush (com berinjela), preparados com óleo, o tabule (salada de hortaliças frescas com trigo) é uma entrada saudável , porque é feito com tomate, cebola, pimentão e rico em fibras, afirma Liliane.
Entre as versões crua, frita ou assada do kibe, prefira a terceira. “A carne crua, quando não é bem conservada, pode transmitir uma série de inconvenientes para a saúde. Portanto, a opção assada é sem dúvida a melhor e a mais segura”, diz a médica nutróloga.
Fique de olho nas variedades italianas
As opções oferecidas pelas casas de comida italiana são ricas apenas em carboidrato. Se escolher uma massa com algum tipo de carne, por exemplo, já terá a proteína como uma grande aliada. “Ela é um nutriente indispensável para a manutenção do nosso organismo e para a nossa saúde, pois possui enzimas e hormônios que são substâncias essênciais para o bom funcionamento do organismo”, afirma Liliane. Prefira os molhos de tomate, pois segundo a nutróloga, os brancos são mais gordurosos. “Massas verdes são também opções proveitosas, pois muitas levam legumes em suas confecções”, ela acrescenta.
Vai pedir uma pizza? Escolha massa fina, evite o azeite e pratique o desapego da borda. “A pessoa consegue reduzir pela metade as calorias se seguir essa dica”, ensina a médica. Invista também em recheios com proteína, como atum e frango, e cuidado com aquelas com muito queijo e molho. “As pizzas verdes, que levam palmito, brócolis e escarola, também são saborosas. E ainda possuem muitas vitaminas”, acrescenta.

Fast-food de salada é legal! 
Ainda pouco divulgado, o sistema de comida rápida de saladas é sem dúvida a melhor opção para quem procura uma boa refeição. “Nesses restaurantes, o cliente monta o prato tendo uma grande variedade de folhas, legumes, verduras e molhos. E aqui vale até incrementar a refeição com uma colher de sobremesa de batata palha (60 calorias), que apesar de conter gordura, deixa o resultado mais atrativo.
Comida chinesa, uma culinária quase perfeita
Se não fosse pela maneira como é feita (regada a muita fritura), a cozinha de inspiração chinesa seria perfeitamente saudável, já que leva muitos legumes. Então fuja dos deliciosos empanados e prefira pratos cozidos. Outro problema da culinária oriental é oalto teor de sódio, afirma a nutróloga.  “Além da questão de aumentar a pressão, faz com que as pessoas tenham enxaquecas crônicas e dores de cabeça”. Neste caso, sugere a médica, opte pelos molhos lights, reduzidos de calorias e com baixo teor de sódio em sua composição.
--Extraido e adaptado de:  http://daquidali.com.br/saude-da-mulher/nutrologa-da-dicas-de-como-comer-bem-no-

AGENDE SUA CONSULTA VIA WHATSAPP AGORA MESMO!
É SIMPLES E RÁPIDO.

27. 99529-8441

ONDE ESTAMOS

Rua Angelindo Carrareto, 21
Morada de Camburi - Vitória - ES / CEP: 29062-505

contato@clinicaghpn.com.br

Copyright 2018 | Todos os direitos reservados a Clínica GHPN

DESENVOLVIDO POR FBRANDÃO AGÊNCIA DIGITAL